terça-feira, 30 de setembro de 2014

A mais velha

Toma conta da mais nova! :-)

A propósito...

...  deste post da Rita...

Nós também recebemos o dito papel. Mas ao contrário dela, temos uma miúda, que iria querer de certeza :)

Eu sempre disse que se tivesse uma menina não queria nada que ela fosse para o ballet porque depois temos de ir ver os espetáculos de dança e eu morro de tédio a ver ballet.

Se fosse, dança espanhola ou assim, agora ballet.

Bom o que é certo é que não foi só o papel do ballet que veio, veio o da ginástica, do ténis e do judo. Todos levaram a não autorização.

Diz a Guigas ao pai:

- Porque é que não me deixaste ir experimentar o judo? Eu queria!

(Será que me safei do ballet???)


sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Pergunto-me: a malta andará a morrer à fome???

Alguém me explica, devagarinho como se eu fosse muito burra, porque raio se nomeia malta ora para mostrar fotografias em pequeno, ora para dizer os 10 livros que mais os marcaram, ou os filmes, ou os ultimos 10 sonhos, ou as ultimas 10 palavras que disse há dez minutos...

A troco de quê? De um jantar!

Mas o que se passa? Não há mais nada para pôr no facebook? Ou querem uma desculpa para ir jantar?

Só apetecer conversar não chega?

(é sexta-feira, viva o mau feitio...)

Por falar em relógio!

a Guigas tem sido o meu despertador :)

Ou melhor o meu despertador toca e eu carrego em adiar!

Passados 5 minutos toca novamente eu carrego em adiar!

E passados uns dois minutos, a Guigas começa a chamar-me e só se cala quando chego ao pé dela (podia eu ficar na ronha mais um pouco...)

Espero que ela saiba que o sábado não há despertador!



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O meu relógio parou...

Só pode!

Mas foi o da parede, o do computador e o do telemóvel.

Então eu estou aqui sentada à horas a trabalhar e a fazer e a fazer e a fazer e nunca mais é hora de sair?

É que os relógios só podem ter parado todos!


Bom dia! :)


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

As Deuscidências da vida...

É sabido para toda a gente que acompanha o blog que sou catequista e uma das responsáveis pela burocracia deste movimento.

Sempre que chega esta altura do ano tenho em cabeça em água por levar não sei quantos negas (algumas de maneira bem reles) e de dar voltas e voltas para garantir que a miudagem tem catequista.

Este ano, foi um dos piores... cheguei a ponto em que foi revoltante... as pessoas não precisam de estar lá o sábado das 14h às 20h como eu, eu entendo que nem toda a gente sofra desta maluqueira, mas custa-me que não percebam que eu estou lá esse tempo todo (com as minhas filhas despejadas nos avós) porque não há pessoas com disponibilidade para lá estar uma parte desse tempo...

Enfim, depois de muito suspiro, dor de barriga, voltas ao esquema dos catequistas, telefonemas, mails e o diabo a sete, no sábado à tarde foram aparecendo mais catequistas e mais e mais e já temos todos!

Numa conversa com uma das mães que nos vai ajudar, e que tem uma família deliciosa, apercebi-me que a Carla já escreveu dois livros sobre esta aventura da maternidade e tem um blog! Uma Deuscidência, só pode!

Mãe de 4! Disponibilizou-se para nos ajudar um tempinho na catequese...

Deus é grande pá! 

E as pessoas que se vão arriscar nesta aventura da catequese também :)



terça-feira, 23 de setembro de 2014

Esta dá nos Jardins Proibidos

E eu gosto tanto!


Em contagem decrescente...

Para podermos adoptar um anjinho!

Desde há três anos que aderimos a esta iniciativa e esperamos poder continuar a aderir... Ensinar às nossas filhas que devem partilhar com os que têm menos, mesmo que em segredo, tem sido emocionante. E conforme elas vão crescendo e tendo mais consciência vai ser ainda melhor :)

Nós vamos adoptar e vocês?


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Family Land

Nós fomos!


Um evento que até estava giro, estava bem pensado, uma iniciativa que faz falta no nosso país, mas que no sábado de manhã estava pouco povoada... não sei se correu conforme as expetativas da organização, o tempo também não ajudou, mas que estava giro, estava!



sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Escrito há 14 anos mas tão atual...*

Não é engraçado como 5 € parece tanto quando o levamos à igreja e tão pouco quando vamos ao shopping???

Não é engraçado como duas horas na igreja parecem bem mais longas do que quando vamos ao cinema???

Não é engraçado como não encontramos as palavras certas quando rezamos, mas elas estão na ponta da lingua quando falamos da vida dos outros???

Não é engraçado como ficamos excitados quando um jogo de futebol vai a prolongamento, mas reclamamos quando a homilia dura mais que o normal???

Não é engraçado acharmos cansativo ler um capítulo da Biblia, mas é mais fácil ler 100 páginas do último romance de sucesso ou da revista de moda e sociedade???

Não é engraçado como precisamos de duas ou três semanas de antecedência para agendar um compromisso na igreja, mas para outros «programas» estamos sempre disponíveis???

Não é engraçado como temos dificuldade em aprender a disponibilidade para a evangelização, mas como nos é fácil aprender a última «fofoca»???

Não é engraçado como acreditamos nos jornais, mas questionamos sistematicamente a Biblia???

Não é engraçado... que cada um de nós pense que isto tem tudo a ver com o outro e nada connosco próprios???

Não é engraçado? NÃO!!! É bastante triste!!!

* escrito em 7 de maio de 2000 pelo Pe. António

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

E por hoje é tudo... FUI!


Há malta que sabe escrever...


Ontem tive um dia de neura: mails disparatados, o tempo que só chove, uma discussão que me desnorteou. Há dias assim...

Recebi algumas mensagens de pessoal a animar (muito obrigada são uns queridos!), recebi disponibilidade de pessoal para me ouvir, para ficar com as miúdas para eu descansar, tudo excelente!

Mas, como diz a Sónia, eu só tive um dia mau porque é impossível estar feliz a 100%, foi só isso... :)

E muito obrigada à Rute que publicou esta imagem... grande sorriso!


quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Palavras que podiam ser minhas...*





Após desabafo da manhã...

... e porque tenho efetivamente coisas sérias com que me preocupar :)


E porque na maioria das vezes devíamos era agradecer aquilo que ainda temos. O tempo que podemos gozar com as pessoas que amamos e o acordar todos os dias.



Devo ser eu... só posso ser eu!

Eu já contei várias vezes aqui no blog que tenho mau feitio, que sou respondona, teimosa. Sou essas coisas todas e há coisas que odeio que façam, mas que muitas vezes fico calada só porque não estou para me chatear.

Se há coisa que a maternidade tem de bom também é isso: passamos a desvalorizar o que realmente não interessa nada e que há guerras que não vale a pena serem compradas.

Aprendi esta com alguma experiência até...

Mas há coisas que me deixam... triste?!?!... a pensar?!?!... Há pessoas à minha volta que acham que são as mais infelizes do mundo porque têm isto, têm aquilo, morreu o gato, dói-lhes as costas, ou têm problemas realmente graves e têm todo o direito de ser as mais infelizes. Mas NUNCA me perguntaram se eu tenho alguma dessas coisas.

No outro dia peguei-me com uma pessoa por causa de uma coisa estúpida (estúpida mesmo podia ter sido uma daquelas alturas em que podia - e se calhar devia - ter estado calada) e depois disseram-me: - Tens de dar-lhe um desconto, foi despedida e blá, blá... E eu respondi: E então? Ela não sabe se eu tenho uma doença grave mas não aparento...

Aliás, a maior parte das pessoas à minha volta que sofre desse mal de infelicidade e de um peso aterrador nos ombros nunca me perguntou se eu durmo bem (dado que com duas crianças pequenas é dificil), se no meu trabalho está tudo bem (dado que estamos em crise há anos e fecharam não sei quantas empresas), se está tudo bem comigo (ou se sofro de algum tipo de ansiedade). Não me perguntaram nada porque essas pessoas estão demasiado ocupadas a acusar-me de ser uma insensível que não presto atenção às suas dores e aos grandes problemas que elas têm.

E enquanto andarmos nisto, de que só alguns é que têm problemas realmente graves e que lhes dá todo o direito de serem muito infelizes e de não ajudar quem pede ajuda - aqueles insensíveis que não deve ter problemas nenhuns porque precisam simplesmente que o mundo continue a girar porque TEM de ser, como eu - parece-me que vou continuar a sentir esta revolta, de vez em quando... 

Mas a vida faz-se, sem guerras - que eu não as compro - e sem problemas nenhuns (pelo menos os meus de certeza que não são assim tão importantes - são inexistentes, vá!). Eu cá continuo na boa!

(Ai já dizia o outro: a maior doença da humanidade é a umbiguite...) 


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Podia perceber imenso de moda, sei lá...

... mas não percebo :P

O que sei é que andei de volta da roupa das miúdas e cheguei à conclusão que a Matilde não tem sapatos que lhe sirvam.

Isto porque na roupa, a da irmã batia certo nos tamanhos com a altura do ano, mas no sapatos não... 

Vai daí que na sexta-feira fomos ao Freeport e toca de ir à Modalfa Factory fazer umas comprinhas. Sapatos para as princesas, alguma roupa, especialmente calças de ganga para mim já que é a única loja que tem tamanhos que me servem.

E correu bem sim senhora!


Cinema e expetativa em alta

Já não íamos ao cinema há séculos... Durante todo o verão disseram que tínhamos de ver este filme que era rir a bom rir.

Nem sei como é que ainda estava nos cinemas, mas lá conseguimos  :)

Tenho de admitir que com a expetativa que colocaram estava a achar que me ia rir até doer a barriga... não foi o caso, mas ainda assim ri-me bem!



segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Aqueles livros...

... que não se consegue parar de ler (só quando tem mesmo de ser).

... que prendem a leitura, que só quero saber o que se vai passar a seguir :)

Até acho que sonhei com a história durante a noite.

E ainda me faltam 100 páginas para terminar!


Caminhando

O último fim de semana completamente livre! :)

Fomos para a praia, passeámos em família, almoçámos com amigos, passeámos de carro, lanchámos gelados e passeámos a pé pela praia.

Margarida de mão dada com o pai e a Matilde sempre com ar despachado e independente a pisar as pegadas deles! 

Foi um ultimo fim de semana de férias MUITO, MUITO bom! :)

Desabafo da manhã

Acabei de receber a noticia que uma pessoa de quem gosto muito, muito está hospitalizada... (sem sabermos mais pormenores) e assim de repente o coração faz baque...

Ainda na semana passada pensei que sentia tantas saudades dele, mas que esta semana já o ia ver... Parece que afinal ainda não é desta... Coração pequenino a desejar que tudo corra pelo melhor!

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Aquele orgulho limiano!

Eu tenho a correr no sangue!

Não há terra mais bonita que Ponte de Lima, não há pessoas melhores que as de Ponte de Lima e não há festa maior, nem melhor que as Feiras Novas de Ponte de Lima!

Tenho dito!

Durante anos e anos e anos não falhei nunca. Fosse ano bom, fosse ano mau. Chovesse ou fizesse sol.

Dificil era arranjar uma casa para dormir que fosse lá perto para não termos de vir às tantas da manhã de carro. As grandes noitadas da minha vida vivi-as nestas festas. Na rampinha! 

Feiras Novas de Ponte de Lima - é romaria noite e dia! 


Já começaram e vão durar até segunda-feira. Eu não vou mas ainda ontem estive a ver na televisão e o meu coração está lá! 

É impossível...

Ontem à tarde tive de ir ao staples tratar de umas coisas de material escolar para a catequese.

Aquilo parecia que o mundo ia acabar e que só quem tivesse material escolar ficava vivo.

Demorei horas a fazer meia dúzia de compras... gastei um dinheirão em meia dúzia de coisas... como é possível?

E a quantidade de gente adulta que lá estava às compras com as crianças? Esta malta não trabalha? Ou tirou o dia para fazer essas compras?

Eu sei que se calhar estou a cuspir para o ar porque as minhas filhas ainda não têm idade de andar na escola verdadeiramente falando, mas encanitou-me um bocado aquilo... 

Nota futura: ver bem os preços do material escolar (vou precisar num futuro próximo) porque se calhar nos supermercados é mais barato (ou não...)


quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Um filme da minha adolescência!


Coyote Bar


Can't Fight The 


Moonlight


LeAnn Rimes

Under a lover's sky
Gonna be with you
And no one's gonna be around
If you think that you won't fall
We'll just wait until
Till the sun goes down
Underneath the star light, star light
There's a magical feeling' so right
It'll steal your heart tonight
You can try to resist
Try to hide from my kiss
But you know, but you know that you
Can't fight the moonlight
Deep in the dark
You'll surrender your heart
But you know, but you know that you
Can't fight the moonlight, no
You can't fight it
It's gonna get to your heart
There's no escaping love
Once a gentle breeze (once a gentle breeze)
Weaves it's spell upon your heart
No matter what you think
It won't be too long (not too long)
Till you're in my arms
Underneath the star light, star light
We'll be lost in the rhythm so right
Feel it steal your heart tonight
You can try to resist
Try to hide from my kiss
But you know, but you know that you
Can't fight the moonlight
Deep in the dark
You'll surrender your heart
But you know, but you know that you can't
Can't fight the moonlight, no
You can't fight it, (no)
No matter what you do (no matter what you do)
The night is gonna get to you
(Don't try you're neveer gonna win) oh
Underneath the star light, star light
There's a magical feeling so right
It will steal your heart tonight
You can try to resist (you can try)
Try to hide from my kiss
But you know, but you know that you (you know that you)
Can't fight the moonlight
Deep in the dark (deep in the dark)
You'll surrender your heart
But you know, but you know that you
Can't fight the moonlight, no
You can't fight it
You can try to resist (you can try to resist my kiss)
Try to hide from my kiss
But you know, (dont you know that you can't)
Can't fight the moonlight
Deep in the dark,
You'll surrender your heart (surrender your heart)
But you know, but you know that you
Can't fight the moonlight, no
You can't fight it
It's gonna get to your heart

E a vida faz-se...

... faz-se de decisões difíceis, às vezes...

Andava há uns dias para tomar uma decisão. Uma decisão difícil, daquelas que envolve a família, que tem de pesar-se bem os prós e os contras. Equacionar todas as implicações, colocá-las na balança, cada uma no seu prato, tem de se acertar bem os pesos, cruzar os dedos e ver se a resposta de cada peso é a que queremos/esperamos.

Parar e olhar para a nossa vida, sentir-nos tão bem resolvidos e de repente aparecer uma decisão que pode mudar todas as certezas (para o bem ou para mal que essa certeza só se tem vivendo) não é fácil.

Crescer também é isto e ter uma família implica que já não decidimos de ânimo leve como noutros tempos. A sede de adrelina de projetos novos, o desejo de querer sempre desbravar caminho e estar pronto para aventura, vai-se esgotando com o passar dos anos.

Cada decisão, cada desejo tem de ser pensado, refletido, vivido e rezado, com a certeza de que recuar nem sempre é andar para trás e que o caminho faz-se caminhando, mesmo que às voltas, mesmo que por um caminho mais longo, até chegar à meta.

Depois da certeza da resposta, sentar e esperar e desejar com todas as forças que tenha sido a resposta certa... uma resposta refletida, vivida, rezada e amada. E depois, sim: deixar o coração serenar e sorrir!


terça-feira, 9 de setembro de 2014

Deve ser preciso um curso ou assim...

Os meus pais compraram, aqui há uns tempos, uma bicicleta para a Guigas. Daquelas de criança com capacete e tudo...

Ela ainda era um bocadito pequena para andar ela e aquilo ficou para lá encostado às boxes.

Entretanto os pneus ficaram vazios...

O carrinho de bébé que está no meu carro para a eventualidade da Matilde adormecer e ter de a levar a algum lado é um Bébé Confort todo XPTO e com uns pneus todo o terreno.

Com o passar do tempo, o que lhes aconteceu? Ficaram vazios...

Vai daí fui À Decathlon e comprei uma daquelas bombas de encher os pneus. (quando era miúda fartava-me de encher os pneus da minha bicicleta portanto era na boa...)

Apercebi-me depois, quer eram necessários os adaptadores para os pneus e voltei lá... e entretanto montei aquilo na bomba, dei ao braço, dei ao braço, dei ao braço e os pneus continuam vazios...

Deve ser preciso um curso ou assim porque eu não consigo mesmo... Alguém percebe alguma coisa disso?


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Aniversário de casamento e passeio a dois!

Decidimos ir passear só dois... sem stress, sem preocupação com o carro, só nós e os nossos livros e foi TÃO bom!

O local escolhido foi Évora. Comprámos os bilhetes na CP online com desconto, ida e volta, ficou baratissimo.

O hotel, já andava na nossa mira há uns tempos, foi o M'Ar de Ar Muralhas. Simpático, sossegadinho, estava cheio e com muitas famílias. Pena o tempo não ter ajudado mais, mas ainda assim aproveitámos um pouco de pisicina.

A comidinha do Alentejo, e apesar das nossas esquisitices, foi bem aproveitada. Fomos a restaurantes agradáveis, uns fora do comum, outros normalissimos, passeámos, namorámos, sorrimos.


Aqui as migas à alentejana!

Aqui um gaspacho gourmet
Foi um fim de semana muito bem aproveitado, tal como estes seis anos :)

Tudo tem sido muito bom!



domingo, 7 de setembro de 2014

Família

A nossa família começou assim. Foi há seis anos.

Foi um dia lindo, cheio de sol, coisas e pessoas bonitas à nossa volta!

Podia repetir esse dia vezes sem conta que acho que não me cansaria.

Essa felicidade permanece com o tempo e tem sido muito bom aproveitar a família e o nosso crescimento como pessoas.

Venham mais muitos!

sábado, 6 de setembro de 2014

Há 6 anos!

Era a véspera do nosso casamento...

Fizémos a nossa vida normalmente :) 

Fomos fazer inscrições para a catequese, falámos com quem se cruzou connosco, rimos e no final do dia beijámo-mo-nos com a certeza de que a próxima vez que nos víssemos, estaríamos vestidos de noivos.

Tem sido M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!

Obrigada por este espaço protegido que é o nosso!


Espaço Protegido

Pedro Camilo

Se, eu te disser
Que te desejo
Vais me ouvir
Se, te abraçar
E te beijar
Vais fugir
Por vezes sou impaciente
Talvez até inconsciente
Mas não consigo mais
Esconder de ti
Que dás cor ao meu mundo
Fazes de horas um segundo
Moras no lado mais profundo
Do meu ser
Refrão:
Quero dar-te momentos que não queiras esquecer
Usar o tempo sem pressa de viver
Se, te procurar
Tu vais voltar
Para mim
Sei que nem sempre faz sentido
Até já me julguei perdido
Mas tudo acaba bem quando a noite vem
E dás cor ao meu mundo
Fazes de horas um segundo
Moras no lado mais profundo
Do meu ser
Refrão
Se precisares de um abraço
De um conforto ou de um amigo
Terás no meu corpo
O teu espaço protegido
Refrão

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Tenho um brinquedo novo!

Ah não!

É para trabalhar...

Quem diria que há pouco mais de um ano era tão reticente a novas tecnologias destas touch e agora é todo um mundo novo que se agiganta.

Evoluir digitalmente também faz evoluir a nossa mente e sei que num futuro, não tão longiquo assim, serão as minhas filhas a ter o seu. Não só para o trabalho, mas antes disso para o estudo.

Como é que eu lhes vou explicar que já houve computadores sem internet??? E que o telemóvel antes não tinha internet???

Não sou eu na foto!

Mas bem que podia ser!

Este ano quando fomos gozar os nossos dias a dois em Monte Real tínhamos incluído no kit uma esfoliação corporal sobre a chuva.

E depois é mais ou menos isto. Temos um duche a deitar água quentinha sobre nós o tempo todo enquanto somos massajados com esfoliante no corpo todo.

Sabe tão bem tão bem que não me importava nadinha de repetir a dose! (suspiro...)


quinta-feira, 4 de setembro de 2014

A ver os Beirais

A dada altura uma das raparigas diz:

"Ah ainda bem que percebeu que nós somos os mais importantes".

Comentário da Guigas:

- Ah não se diz isso: todos somos importantes!

A vida não é uma guerra!

É um dom! E eu acredito profundamente nisso...

A vida de qualquer pessoa, mesmo das minhas filhas, é um assunto com Deus e sei que deve ser dificil (muito dificil) aceitar isso e fazer cumprir a Sua vontade. Nem sei muito bem se eu conseguirei passar por isso se assim tiver de ser.

Não queria falar muito da Nônô porque não quis acompanhar o caso dela de muito perto. Não quis propositadamente.

Há uns tempos sofri muito com a Maria... a Maria era da nossa catequese. Acompanhei a doença dela desde o inicio, a página do facebook. Mandei as pessoas que eu conhecia e que podia (porque eu não posso) ser dadoras de medula óssea. Fiquei feliz, feliz, quando ela conseguiu o primeiro transplante... e triste, triste quando o mesmo falhou.

Nova procura e quando decidiram o segundo transplante nova força, novo ânimo, vi-a ir à televisão, mandei mensagens à mãe. Ao fim de um ano, a Maria morreu... Estava na praia a muitos km's de cá quando a Anita me ligou em lágrimas a dar noticia... O Rui já me tinha dito que ela estava muito mal... E nem agi... fiquei sem pensar, sem palavras...

Consegui o numero de telemóvel da mãe e mandei-lhe uma mensagem, meio sem jeito...

Jurei a mim mesma não me envolver mais numa história assim, que não fosse minha... egoísta, eu sei, mas são as nossas fraquezas...

Quando conheci a Nônô tentei manter esta promessa... não me envolvi tanto, mas fui vendo e vivendo o sofrimento, a esperança, as dores, as angústias, os sorrisos...

A Nônô já está com a Maria e é impossível no nosso coração não sentir que às vezes, é mesmo, mesmo dificil perceber estes designios de Deus, mas mantenho a minha oração para que Deus me ajude a viver sempre a Sua vontade!


quarta-feira, 3 de setembro de 2014

O quer se lê agora...

Após 780 páginas de Lesley Pearse :)

Estou agora a ler o livro indicado na versão Kobo! (aquele calhamaço deu cabo de mim)




Gosto desta música!



Olha a Laurinha lá vai toda decidida
Diz que é crescida e que prescinde dos conselhos do pai
Olha ela, lá vai toda destemida
Dona da vida nem duvida que é por ali que vai
Olha a Laurinha à cabeça da charanga
Das raparigas do recreio do liceu onde ela anda
E manda na dinâmica da escola
Não vai à bola com a setôra de história
E não disfarça e faz a vida negra à criatura
É a ditadura de quem manda só porque sim
Olha a Laurinha que já fuma às escondidas do pai
Com a mesada de alguém
Ainda namora às escondidas da mãe
Enquanto diz que não tem medo de nada
Nem ninguém
Vai, dança até ser dia
Que a vida são dois dias
E tu vais ser alguém
Igual à tua mãe
Um olho na novela
O outro na panela,
Um dia vais ser tão Dona Laura como ela
Olha a Laurinha toda cheia de cidade
Sem ter idade para sequer votar na junta daqui
Sempre que a chamam ao quadro desatina e nada diz
Mas bem que opina sobre o estado a que chegou o país
Olha a Laurinha lá vai cheia de prestígio
Nenhum vestígio da miúda outrora santa e singela
E a mãe dela fica a vê-la da janela
Ainda se lembra bem do tempo em que a Laurinha era ela
A fumar às escondidas do pai com o dinheiro que alguém
Subtraiu da carteira da mãe
Enquanto diz ao mundo que ainda há-de vê-la ser alguém
Vai, canta até ser dia
Que a vida são dois dias
E tu vais ser alguém
Que é tal e qual a mãe
Um olho na novela
O outro na panela, um dia vais
Ser tão Dona Laura como ela
Aproveita agora
Que há-de chegar a hora
Que não poupa ninguém
Vais ser igual à tua mãe
A filha pela trela
Repete-se a novela, um dia vais
Ser tão Dona Laura como ela.

Estão crescidas!

Regressaram à escola!

A Guigas para a sala dos 4 anos, a Matilde para a sala de 1 ano!

Contentes, sem uma lágrima, a expetativa do trabalho em alta.

À porta das salas pais e crianças a chorar e as minhas a sorrirem, contentes com o regresso. Estão crescidas e é bom sentirmos que são felizes no local que escolhemos para elas estarem!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Por aqui!

A treinar o regresso a escola!

Só descobrimos hoje que devíamos ter treinado mais o cortar (desculpa Inês, prometo que durante o ano vou tentar estar atenta).

Acho que elas estão cheias de vontade de voltar a escola. Ou então, só sou eu que tenho muita vontade que elas voltem.

É já amanhã!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Tive a minha dose!

Estávamos a passar o fim de semana em Abrantes, contentes da vida junto à piscina.

A Matilde começa a berrar desalmadamente... o JP chega ao pé dela e apercebe-se que foi picada por uma vespa.

Começamos a fazer os primeiros socorros (a tia tinha acabado de ser picada por outra), quando olho para a perna dela, tinha duas picadas...

Chorava e esperneava e as bolhas a inchar. Não acalmava nem com fenistil, nem com alho (diz que deve por-se e com a Guigas há um mês deu um resultado fantástico)...

Lá fomos nós conhecer o hospital de Abrantes não fosse a miúda fazer alguma reação alérgica grave.

Quando chegámos ao hospital já nem fomos muito credíveis. Estava óptima, a trepar às cadeiras, só se queixava quando apertávamos os sítios onde tinha sido picada.

Ai, ai, ai...